SEBRAE

Feminicídio em Taguatinga TO: Polícia Civil indicia homem por matar a esposa e fingir que foi morte natural

Os laudos do IML apontaram que a vítima foi atingida no pescoço e teve a coluna cervical quebrada em dois lugares. Logo depois, o delegado pediu a prisão temporária do homem, que passou a ser considerado o principal suspeito, e foi preso em outubro.

Por Silas Vinicius em 18/11/2020 às 11:37:27

As investigações sobre a morte de uma mulher de 51 anos em Taguatinga, na região sudeste do estado, foram concluídas pela Polícia Civil. O inquérito indiciou o companheiro da vítima, de 44 anos, como autor do crime de feminicídio. A conclusão foi a de que o homem teria tentado encobrir o assassinato e fazer com que parecesse uma morte natural.

O crime aconteceu no dia 15 de junho deste ano, na zona rural de Taguatinga. No dia seguinte, o próprio homem procurou a delegacia da cidade e registrou um boletim de ocorrência afirmando que a companheira havia desaparecido e sofria com problemas de saúde.

O homem ainda afirmou que começou a procurar a mulher, por conta própria, e encontrou o corpo sem vida às margens de um rio próximo ao povoado Manoel Alves. Só que a versão contada não convenceu os investigadores.

O corpo foi recolhido e encaminhado para o Instituto Médico Legal para a realização dos exames periciais. Os investigadores também descobriram que a vítima era constantemente agredida e o suspeito era temido pelos vizinhos por ser muito agressivo.

Os laudos do IML apontaram que a vítima foi atingida no pescoço e teve a coluna cervical quebrada em dois lugares. Logo depois, o delegado pediu a prisão temporária do homem, que passou a ser considerado o principal suspeito, e foi preso em outubro.

A Secretaria de Segurança Pública (SSP) informou que a perícia ainda encontrou várias marcas de sangue em móveis e objetos no local onde o casal vivia. O delegado Eduardo Nunes, responsável pelo caso, concluiu as investigações nesta segunda-feira (16) e pediu à Justiça que a prisão temporária fosse transformada em preventiva, que não tem um prazo determinado.

O pedido foi aceito pelo judiciário e o suspeito vai continuar preso na cadeia local aguardando julgamento.

Fonte: Soudepalmas

Comunicar erro

Comentários

libade